Voltar para o site coopermiti

“Acreditamos que o único
caminho para a mudança de
comportamento é através da
educação.”

CENTRAL TELEFÔNICA TELETIPO TTY

Ano: 1958



Central telefônica

As primeiras centrais automáticas ou centrais que dispensavam o operador/telefonista para completar uma ligação eram do tipo eletromecânicas, conhecidas como Passo a passo. Foram inicialmente substituídas pelas centrais Cross Bar ("Barras cruzadas", também eletromecânicas) e a partir dos anos 70 as empresas de telefonia passaram a utilizar Centrais Digitais, também chamadas CPA ("Central de Programa Armazenado"). As CPA's são verdadeiros computadores específicos para a função, e trabalham com um software interno para execução das operações inerentes: interligar (comutar) terminais, executar controle, teste e gerenciamento do hardware, serviços adicionais (identificação de chamadas, transferência de chamadas, ligações simultâneas, etc.) aos clientes.

É importante observar que o processo para comutar dois terminais telefônicos, em termos gerais é simples, porém, na prática, exige uma grande infraestrutura dos Sistemas de Telecomunicações, tais como: sistemas de energia elétrica, ar-condicionado, pressurização de cabos, rede de cabos, sistemas de transmissão/recepção (rádios, modems, etc.), além é claro, de técnicos especializados.

As Centrais Telefônicas são também comumente chamadas de Centrais de Comutação.

Teletipo

Um teletipo, TTY (sigla no idioma original), telex ou rádio teletipo é uma máquina de escrever elétrica com um cabo coaxial.É composto por um fio ou um par deles para transmissão de dados. Foi utilizado durante o século XX para enviar e receber mensagens digitadas ponto a ponto através de um canal de comunicação simples. Os equipamentos mais modernos com componentes eletrônicos são fabricados usando um monitor de tela em vez de uma impressora. O sistema ainda é utilizado para portadores de deficiencia auditiva a fim de escrever comunicações de telefone .

O teletipo envolveu uma série de invenções tecnológicas desenvolvidas, entre outros, por Earl Casa Real , David E. Hughes , Charles Krum , Emile Baudot e Frederick G. Creed . Um dos predecesores do teletipo foi utilizado no mercado de ações desde 1870, como forma de imprimir texto transmitido por cabo. Foi usada uma máquina de escrever especialmente projetada para enviar informações por telégrafo para as impressoras.

Operação do teletipo

Teleimpressoras usado um código de 5 bits, também conhecido como código Baudot ou "ITA2" , limitava o conjunto de caracteres possíveis para 32. Eles tiveram que usar teclas especiais para digitar mais números e caracteres. Foram criadas versões especiais com códigos de transmissão para aplicações específicas, tais como relatórios de tempo. O código de Baudot utilizava um sistema assíncrono, com início e fim bit, intimamente ligada à concepção de equipamentos eletromecânicos. Os primeiros modelos usados síncronazam sistemas, mas era muito difícil sincronizar as peças mecânicas. Quanto às normas de qualidade moderna, a de impressão era pobre.

Mark e espaço são termos que descrevem níveis lógicos num circuito de teletipo. O modo nativo de comunicação foi um circuito simples de corrente contínua que é interrompido de maneira semelhante como um disco ou interrompido do sinal do telefone. A condição de "marca" foi dado com o circuito fechado, e o "espaço" com o circuito aberto. O início de um personagem é indicada por um "espaço" . Bits de parada são " marca ". Quando se quebra a linha, o ciclo de teletipo continua, mas não imprime, porque ele recebe todos os zeros, o caráter ASCII (ou Baudot) "NULL" .

Os primeiros circuitos teletipo foram usados por algumas empresas argentinas e consistia de pares de cobre em cabos comuns de telégrafo. Tais circuitos eram ligados em série, mas não permitiam o uso do telefone.

Os teletipos estão frequentemente ligados a fitas de papel com equipamento de perfuração, o que permitiu com os leitores encaminhassem mensagens recebidas em outros circuitos. Com esta tecnologia foram desenvolvidas complexas redes de comunicação militar e comercial, onde os centros de mensagens tinham longas filas de computadores conectados. Muitos teletipos foram autorizados a compor mensagens off-line, no sistema de transporte para entrega posterior, permitindo a transmissão a uma velocidade superior em que você pode digitar diretamente e de forma contínua um operador.

No Uruguai, os teletipos foram alugados para circuitos privados muito antes da abertura da rede de telex internacional, que usa o teletipo como terminal. Para estes circuitos privados e na falta de linhas físicas na Cidade de Montevidéu, um aparelho feito no Uruguai permitiu a utilização simultânea de telefone e teletipo; esta unidade foi chamada de “Telefotipo” e foi usado principalmente por bancos para comunicação. Mais tarde, por razões de custo, um derivado do telefotipo chamado de "Teletifono" foi utilizado (quase meio Telefotipo, cumprindo a mesma função, mas com a parte do telefone em apenas uma direção)

O primeiro circuito de teletipo privada foi utilizada por um serviço de câmbio e ligado a sede em Montevidéu com uma filial na cidade de Rivera. A conexão é feita por linhas (fios) do Telegraph Nacional.





https://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=es&u=https://es.wikipedia.org/wiki/Teletipo&prev=search

http://es.wikipedia.org/wiki/Teletipo

http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:BJxmsdnXkloJ:pt.wikipedia.org/wiki/Central_telef%C3%B4nica+central+telefonica+historia&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br&source=www.google.com.br

https://desamarrandoarede.wordpress.com/tag/teletipo/

https://www.google.com.br/search?q=teletipo+antigo&hl=pt-BR&biw=1920&bih=932&site=webhp&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwi8oYXLl_PNAhXMGJAKHdUaBUIQ_AUIBigB#imgrc=Zy-XXBiRSeugCM%3A