Voltar para o site coopermiti

“Acreditamos que o único
caminho para a mudança de
comportamento é através da
educação.”

MINI FLASH YASHICA CS-10

Empresa: Yashica

Ano: 1961



Yashica

Yashica era um fabricante de câmera japonesa, fundada em 1945 e absorvida pela Kyocera em 1983. Ela havia fabricado câmeras SLR 35 mm sob a marca Contax a partir de 1974.

História da empresa

Período de Yashima

A empresa foi fundada em Maio de 1945, Yashima Seiki Seisakusho (八洲精機製作所, significando Yashima precisão trabalho) na Prefeitura de Nagano.. Depois do fim da Segunda Guerra Mundial fabricou componentes para relógio e equipamentos elétricos. Em dezembro de 1949, Yashima tornou-se a empresa de ações como Yashima Seiki KK (八洲精機㈱).

No início de 1953, a empresa começou a fazer a sua primeira câmera, o Pigeonflex 6 × 6 centímetros TLR, em nome do distribuidor Endo Shashin-yōhin . Em junho de 1953, mudou seu nome a Yashima Kogaku Seiki KK (八洲光学精機㈱), significando Yashima instrumentos ópticos de precisão, que reflete o seu novo envolvimento no negócio de câmera. No mesmo ano, a empresa comercializou sua primeira câmera sob sua própria marca, a Yashimaflex , outra 6 × 6 centímetros TLR. O Pigeonflex e Yashimaflex já foram equipados com lentes Tomioka, começando um relacionamento que duraria anos.

O Yashimaflex foi rapidamente conseguindo um número de modelos nomeados Yashicaflex, alguns dos quais tinham enrolamento semiautomático. Em 1956, o nome da empresa foi alterado para Yashima Kogaku Kogyo KK (八洲光学工業㈱, significando Yashima Optical Industries). No mesmo ano, Yashica Rookie fez ainda uso da marca Yashica, que foi construído a partir de Yashi ma e Camera, de forma semelhante a "Leica", "Konica" e vários outros.

Em 1957, a empresa lançou o Yashima Yashica-Mat com o avanço da manivela. No mesmo ano, fundou Yashica, Inc., sua primeira filial fora do Japão, com sede em Nova York para gerenciar os esforços de marketing nos EUA. Ele também entrou no mercado de câmeras cine de 8 mm com a Yashica T8.

Linhas Yashica e Contax

Em 1973, Yashica era um gigante de produção com experiência considerável em câmera eletrônica, e estava à procura de maneiras de expandir as vendas e melhorar o reconhecimento da marca no mercado SLR 35 mm, altamente competitivo. Assim começou uma colaboração com Carl Zeiss para produzir um novo, 35 mm SLR profissional com um obturador controlado eletronicamente, tendo a Contax como nome da marca. O estúdio de design FA Porsche foi contratado para completar uma forma do corpo ergonômico e elegante. O novo Contax RTS apareceu na Photokina em 1974, e mostrou-se um sucesso imediato. Uma nova linha de prestígio de lentes de Yashica / Contax projetados por Carl Zeiss foram introduzidos para a câmera, com um novo / C baioneta Y que também foi adotada com linha regular Yashica SLR, permitindo intercâmbio lente entre todos os 35mm modelos Contax e Yashica SLR.

Dentro da linha Yashica, a baioneta Y / C de montagem apareceu primeiro na fx-1 (1975) e FX-2 (1976). Yashica aproveitou a oportunidade para atualizar e expandir sua linha regular de lentes 35 mm SLR, introduzindo melhoramentos nos modelos ópticos e tecnologias de revestimento (para as lentes multi revestidas mL). O Yashica FR, lançado em 1977 e, em parte com base no design Contax RTS, era uma câmera de exposição manual, controlado eletronicamente, projetado para atrair o usuário semiprofissional e amador; ao mesmo tempo, capaz de utilizar toda a gama de lentes Zeiss T. Esta prática de modelos Contax semelhantes com modelos Yashica, acessíveis, menos completos, mas ainda de alta qualidade , continuaria para os próximos 10 anos.



Flash

Flash é um instrumento utilizado em fotografia que dispara luz em simultâneo com a abertura do obturador. É usado primordialmente em situações de pouca luz, mas mesmo com bastante luz, ao sol por exemplo, pode ser usado para o preenchimento de sombras muito fortes evitando o contraste exagerado, o chamado fill flash.

História

Nos primeiros flash eram utilizadas lâmpadas similares às incandescentes de hoje, com a diferença que seu filamento era bem fino e muito longo que ao receber uma descarga elétrica se queimava. Ou seja, para cada foto era utilizada uma lâmpada. Observe em filmes anteriores a 1950 em que fotógrafos após a foto retiravam a lâmpada (normalmente de baioneta) para colocar uma nova providenciada em seu bolso do paletó — cena comum dos fotógrafos de jornais!

O flash eletrônico surgiu por volta de 1949. Tinha o tamanho de uma mala, pesava quase 8 quilogramas e utilizava 5.000 volts de energia, por isso eram usados com cautela. Num período de mais ou menos 10 anos do seu surgimento usaram bobinas de ignição, acumuladores (baterias) para motocicletas e válvulas eletrônicas (tubos).

Neste período conseguiram produzir tubos que funcionavam com 300 ou 500 volts. Início dos anos 50, começaram a aparecer tubos (lâmpadas) em "U" ou circulares o que melhorou muito a eficiência. Em 1950 surgiu o "Sevoblitz" o primeiro flash com o refletor incluído. Ao surgirem as baterias de níquel-cádmio começaram a fabricar os primeiros "flash de bolso", o que reduziu em muito as dimensões, aliado ao aperfeiçoamento dos refletores.

Os flashes se tornaram tão populares que as próprias câmeras, principalmente as amadoras, já os tem incorporados, alimentados por uma ou duas pilhas AA ou AAA, comuns, alcalinas ou recarregáveis.

Mais recentemente, com o surgimento ao consumo das câmeras digitais (segunda metade da década de 1990), os flash sempre estão incorporados. Nas câmeras profissionais é opção os flash TTLs, inteligentes que "conversam" com a câmera ajustando seus disparos de acordo com os dados de abertura, velocidade, ISO, distância e outros. Tudo isso a velocidade de processamento de um chips. Chegam a disparar mais de uma vez em uma única foto, primeiro para calcular a luminosidade, um possível segundo disparo (quando programado) para evitar o "olho vermelho" (quando a pupila do fotografado se "ajusta" a luminosidade) e o segundo ou terceiro disparo para iluminar a cena com vistas a imagem pretendida. Mesmo pequenos flash TTLs, possuem um "poder" de iluminação de 15 ou mais metros, enquanto os flash incorporados raramente ultrapassam a iluminação de 4 metros.

Comum também, em uso profissional, são as "tochas", são flash mais fortes isolados da câmera e disparados por sinais de rádios ou fotocélulas (hoje quase não usadas). É comum também em eventos, como casamentos, e onde é exigido mais iluminação, os profissionais utilizarem de dois ou mais flash, conduzidos por auxiliares (pessoas) e disparados simultaneamente pelo rádio que é incorporado na câmera e envia o sinal para esses flash.

Número Guia

A capacidade de um flash é medida pelo chamado número guia, ou em inglês guide number, resultado do produto entre a distância entre a objetiva e o assunto fotografado, e a abertura necessária para correta exposição com o flash operando em sua potência plena.

Por exemplo, se um flash em sua potência total permite fotografar um objeto a 10m com abertura 4.0, teremos: número guia = 4.0 × 10 = 40

Similarmente, o número guia pode ser calculado em pés, ao invés de metros.

Ao se aplicarem filtros ou modificadores de luz (ex.: gels, sombrinhas, colméias, softboxes) o número guia da iluminação será diferente do apresentado pelo flash original (sem modificações).







https://www.google.com.br/search?q=FLASH+YASHICA+CS-10&hl=pt-BR&noj=1&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjpwen1xvrLAhUHDZAKHZNYBTMQ_AUICCgC&biw=1920&bih=805#imgrc=jGu0omccOclnHM%3A

https://translate.google.com.br/translate?hl=pt-BR&sl=en&u=http://camerapedia.wikia.com/wiki/Yashica&prev=search

https://pt.wikipedia.org/wiki/Flash_(fotografia)