Voltar para o site coopermiti

“Acreditamos que o único
caminho para a mudança de
comportamento é através da
educação.”

MÁQUINA DE ESCREVER FACIT H. César

Empresa: Facit AB

Ano: 1977



Facit

Facit (Facit AB, fundada em 1922 como AB Åtvidabergs Industrier) foi uma empresa multinacional fabricante de produtos de escritório, com sede localizada em Åtvidaberg, Suécia. A Facit AB, uma fabricante de calculadoras mecânicas, foi incorporada ao grupo empresarial neste mesmo ano.

História

No início da década de 1960, a subsidiária Facit tornou-se o carro-chefe da corporação, a qual em 1965 mudou seu nome para Facit AB. Nesta época, a empresa possuía um total de 8.000 empregados e filiais em mais de 100 países.

Em 1970, a empresa atingiu o ápice do seu crescimento, com mais de 14.000 empregados em todo mundo. Em 1971, foram lançadas calculadoras modernas fabricadas no Japão, tornando instantaneamente obsoletas as calculadoras mecânicas fabricadas pela Facit. Isto praticamente tirou a Facit do mercado do dia para a noite.

A Facit foi vendida para a Electrolux em 1973 e em 1983, passou para o controle da Ericsson, onde foi iniciada uma tentativa de fabricar microcomputadores. Ao longo de quatro anos, o computador doméstico da Facit (o Facit DTC) tornou-se popular na Suécia. A máquina oferecia algumas soluções inovadoras, e tinha um BASIC aperfeiçoado. Todavia, como o empreendimento não revelou-se particularmente lucrativo, foi encerrado em 1988. A empresa foi subsequentemente dividida entre proprietários estrangeiros, e finalmente fechou as portas em 1998.

Brasil

No Brasil a Facit também pertenceu à Sharp até meados da década de 1990, sendo que além de permanecer com os produtos de escritório também foi o segmento de eletrônicos de consumo, chegando a lançar no mercado um modelo de videocassete, porém não ficando muito tempo no mercado.

Embora a matriz tenha fechado definitivamente as portas em fins do século XX, algumas subsidiárias ainda persistem no ramo, como a Facit do Brasil, com sede em Juiz de Fora, Minas Gerais.



Máquina de escrever

A máquina de escrever, máquina datilográfica ou máquina de datilografia é um equipamento mecânico, eletromecânico ou eletrônico equipado com teclas que, quando acionadas, movimentam tipos, que imprimem letras, números e símbolos no papel, facilitando e dando maior agilidade ao processo de escrita.

As primeiras máquinas de escrever produzidas foram as manuais, com acionamento mecânico das teclas. Posteriormente, surgiram as eletromecânicas, com base de funcionamento mecânico, auxiliado por um motor elétrico para diminuir o esforço e dar maior agilidade na escrita. Finalmente, surgiram as eletrônicas, com acionamento dos tipos em margaridas ou esferas, capazes de alcançar melhor velocidade e qualidade de impressão, além da possibilidade de correção dos erros, com fitas corretivas.

Os modelos mais recentes para escritórios possuíam memória interna e pequenos monitores, com uma forma próxima dos primeiros computadores pessoais.

Breve História

A Remington, que antes se dedicava apenas à produção de armas, foi a primeira empresa a investir na produção de uma máquina de escrever, em 1874, já com uma configuração bem próxima do modelo que se tornou popularmente conhecido em todo o mundo.

A partir de 1880, as máquinas de escrever passaram a ser adotadas pelo mercado corporativo, em busca da legitimação dos documentos comerciais que eram produzidos em todas as transações.

O aumento da demanda despertou o interesse das indústrias para o novo produto, primeiro nos EUA e, depois, na Europa, com a Alemanha sendo um dos principais polos, que em seguida se espalhou para os demais países industrializados.

O mercado de trabalho também cresceu com a necessidade de contratação de datilógrafos, capazes de operar as novas máquinas com velocidade e precisão. Com isso, as mulheres passaram a ter espaço nos escritórios, redações e cartórios, assumindo funções nas áreas administrativas, o que consistiu em um dos primeiros movimentos para a conquista dos direitos femininos.

Indústria da máquina de escrever no Brasil

No Brasil, as máquinas de escrever foram importadas até que passassem a existir as condições de instalação das primeiras indústrias metalúrgicas, a partir da criação da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), em 1941.

Primeiro, a americana Remington se instalou no Rio de Janeiro, em 1948, depois, a sueca Facit chegou em Minas Gerais, em 1955, e, finalmente, a italiana Olivetti passou a produzir em São Paulo, em 1959. Outras fábricas também surgiram mais tarde, como a Precisa S/A, de origem Suíça, em São Paulo, ou a IBM, especializada em máquinas eletrônicas para os escritórios.

Essas empresas focadas em máquinas de escrever entraram em decadência a partir do início da década de 1990, com a redução da demanda, porque o mercado passou a adotar os computadores e impressoras como alternativa mais eficiente para a produção de textos. A Facit S/A foi a última a continuar produzindo no Brasil, até o final da década de 1990, após ter a administração assumida pelos empregados, em um modelo de autogestão.







https://www.google.com.br/search?q=maquina+de+datilografia+facit&hl=pt-BR&biw=1920&bih=904&site=webhp&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwiRosbp2crNAhVJk5AKHbH2CA0Q_AUIBygC#imgrc=pDuT5Lr7Uf3d2M%3A

https://pt.wikipedia.org/wiki/Facit

https://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1quina_de_escrever

http://www.custojusto.pt/porto/coleccoes/maquina-de-escrever-facit-h-cesar-18757477